segunda-feira, 13 de junho de 2011

Transbordando




Eu sedento, e você aí. Transbordando. Sensual.

Deixa eu beber de você, em você, com você. Um drink, é só o que eu peço nessa noite fria. Um drink que desça queimando a garganta. Não, você é muito doce para isso. Sofisticada. Talvez peça um vinho, um espumante, ou até um Dry Martini - quem sabe. Ou talvez me provoque e diga que não bebe.

A sede não parou. E você continua. Transborda.

Subir a bordo de você, com você, era tudo o que eu queria nessa noite fria. Puxar-lhe pela mão e levá-la porta a fora. Onde seus suspiros seriam denunciados pela fumaça de ar quente que escapa de nossas bocas em noites frias como essa.

Sinto cada vez mais sede, e você transborda mais e mais.

Nadar nessa onda dos seus cabelos, da sua cintura, é só o que eu desejo nessa noite fria. Afundar em seus olhos, mergulhar em sua boca e provar só um pouquinho de você. Você tem tanto.

Quando um homem sedento encontra uma mulher assim como você - que transborda - ela se torna oásis, miragem e o deserto. Tudo de uma vez. É como se olhar para você me deixasse ainda mais ansioso por só um gole. Uma palavra, um gesto sedutor, um beijo. Aposto que quem prova de você não consegue se contentar com pouco.

Seus olhos, seus lábios, seus seios, seus quadris, suas coxas, seus cabelos, suas expressões, seus gestos...

Suas palavras... Transbordam.

E eu aqui. Sedento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário